Olá, caros amigos!

 

Ter uma reserva de emergência é muito importante, seja você empreendedor, ou não. Mas nem sempre sabemos como fazer isso, por onde começar, onde guardar ou até mesmo o quanto de dinheiro investir. Por isso, a dica de hoje é para ajudar você que foi pego de surpresa, e agora está com dificuldades em criar um fundo emergencial.

Reservar um tanto de dinheiro para emergências sempre foi uma das premissas básicas de finanças pessoais. Em tempos de crise, como a causada pela pandemia do novo coronavírus, contar com esse montante extra é fundamental.

Mesmo assim, no Brasil, ter uma reserva para situações adversas não é algo tão comum: um estudo publicado no final de 2019 pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) com o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) mostra que apenas 1 a cada 10 brasileiros consegue guardar dinheiro todo mês.

Mas não se preocupem, meus amigos, pois, como sempre, estou aqui para auxiliá-los em mais uma alternativa de como vencer a batalha contra o vírus. Tudo se baseia em encontrar a melhor maneira de organizar uma reserva de emergência e de como investi-la.

Como criar uma reserva de emergência?

O jeito mais fácil de criar essa reserva é desenvolver o hábito e a rotina de, todos os meses, reter uma parte da sua renda, a fim de formar um fundo.
Ou seja, depois de pagar as contas essenciais, como água, luz, aluguel e alimentação, o próximo passo deve ser a reserva. Só após a retenção desse dinheiro que você deve pensar nos gastos não essenciais, como as compras online.

Quanto devo reservar?

A quantia ideal para investir na sua reserva de emergência deve estar entre um terço (1/3) a um sexto (1/6) da sua renda pessoal, seus ganhos, ou seu salário líquido.

No início, pode ser difícil se privar de alguns luxos, mas lembre-se que essa reserva permite que você passe pelos momentos de crise. Esta é a hora de zelar pela saúde.

Onde reservar esse dinheiro?

O melhor tipo de investimento para a sua reserva está no mercado financeiro. Todos os produtos que existem no mercado são melhores do que deixar o dinheiro debaixo do colchão.

É importante que esse dinheiro esteja aplicado em um investimento de baixo risco, renda fixa e que pode ser sacado a qualquer momento, afinal nunca sabemos quando haverá uma emergência.

A Poupança é a alternativa mais comum, mas existem outras opções como o CDB, ou Certificado de Depósito Bancário. Ele é um título emitido por bancos com o objetivo de captar dinheiro, tem a renda fixa e liquidez diária.

Outra boa opção que se enquadra em um investimento de baixo risco são os Fundos DI, ou Fundos de Renda Fixa Referenciados DI. Eles garantem um retorno, pois investe seu patrimônio em Títulos Públicos, como o Tesouro Direto.

Por último, existe também a alternativa de aplicar no próprio Tesouro Direto. Ele também proporciona as mesmas seguranças das outras formas de investimento, como renda fixa e saque direto.

Renda fixa, o que é?

A renda fixa é a modalidade de investimento que possui rendimentos mais estáveis e segurança. Chama-se renda fixa justamente porque possui uma rentabilidade previsível. Ela pode ser fixada em um percentual mensal ou seguir algum índice de taxa.

Fundos de renda fixa não têm o mesmo impacto dos produtos de renda variável, entretanto, pode ter rentabilidade negativa. Mas se isso acontecer não se desespere, pois tem solução!

Isso só acontece em momentos de crise, como a causada pelo coronavírus. Por conta da marcação ao mercado, os preços de títulos públicos e privados podem sofrer variações e dar retorno negativo em alguns dias. Mas atenção: esse não é o momento de retirar o dinheiro do investimento.

Mantenha a calma e não se assuste, pois esses períodos não demoram a passar, e logo seu dinheiro volta a render positivamente. Você só vai perder dinheiro se tirar quando estiver negativo, por isso aguarde!

E as ações?

Comprar ações não é o melhor investimento para emergências porque, ao contrário de investimentos de renda fixa, o valor das ações depende das variações do mercado. Isto é: pode ser que você não encontre alguém que queira comprar sua ação por um valor igual ou maior ao que você comprou.

Por isso as melhores opções são os produtos de liquidez diário. Nas ações, pode ser também que você demore muito tempo para conseguir resgatar o dinheiro investido, portanto não é a melhor opção para uma emergência.

Conclusão sobre reserva de emergência

Agora é a hora de zelar por si próprio e por quem você ama. Comece a criar o costume de reservar uma parte dos seus ganhos, e desenvolva a rotina de, todo mês, investir esse dinheiro em um produto de renda fixa. Assim, você estará preparado para enfrentar as adversidades causadas pelo Covid-19, além de não ser pego de surpresa por nenhum outro tipo de instabilidade.

Dessa forma, vamos dando mais um passo para a vitória nessa guerra contra a doença.

Até a próxima, meus amigos!

Fonte:

CNN Brasil